13/04/2021 às 14:57 Resenhas de Discos

Resenha do disco "Hermitage", da banda Moonspell

106
2min de leitura

Eremita é aquele que vive isolado, seja por penitência religiosa, vontade de se afastar da sociedade ou apego à natureza. Em pleno século XXI, entretanto, a sensação é que nunca estamos verdadeiramente sozinhos.

O frenesi da vida não permite o escapismo. Querendo ou não, vivemos em meio ao caos da nossa conectada e tecnológica sociedade. É aí que entra “Hermitage”, novo disco dos portugueses do Moonspell.

O termo se refere aos lugares em que esses nômades escapistas do passado se refugiavam. A mensagem principal do disco, porém, não é escapar, e sim olhar para dentro e entender o que está errado. Para que não seja necessária essa fuga urbana.

A letra de “The Greater Good”, que inicia o tracklist, já deixa clara a proposta da banda:  Que tal procurarmos uma nova terra / Sem hino, sem governo / por que vivemos com tanto medo?

Mais para o meio, a faixa que dá nome ao disco traz uma possível solução: o retorno da inocência. O problema é que talvez seja inocente pensar que a humanidade retornará a esse estágio primitivo.

A capa de “Hermitage” vale também a reflexão. Vemos um cidadão caminhando para longe de uma cidade ultramoderna aparentemente desolada por um apocalipse, com nuvens que encobrem o sol no estilo Matrix.

Talvez seja sim a hora de abandonar. Mas não a cidade literalmente, e sim um estilo de vida cada vez mais autodestrutivo e implacável.

Todo esse sentimento deságua em “The Hermit Saints”. Aqui, o vocalista Fernando Ribeiro desabafa: O silêncio foi quebrado / o nó está muito apertado / O deserto me obriga a fazer o que é certo.

Musicalmente, os portugueses apresentaram seu doom metal calibrado, com passagens mais rápidas e solos, trazendo dinamismo. A voz de Fernando, ora calma e límpida, ora rasgada e impiedosa, assegura uma certa agonia para o ouvinte.

Nunca se sabe em que ponto da música a calmaria será destroçada por um verso agressivo e desesperado. Essa sensação dialoga com as questões existenciais que a banda quer passar. Ficar fazendo mais do mesmo, esperando na calmaria, não adianta.

Por fim, “Hermitage” é mais um passo dado pelo Moonspell na direção da diversificação de temas na sua discografia. Se antes vampiros e magia reinavam, no disco anterior – “1755” – o desespero realista de abordar o famoso terremoto de Lisboa apareceu.

Agora, a sensação é que a banda tomou gosto por temas mais sociais e realistas. Por enquanto, eles acertaram a mão. Resta saber quais serão os próximos chamados da banda.

Garanta sua cópia no site oficial da HELLION.

13 Abr 2021

Resenha do disco "Hermitage", da banda Moonspell

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

hellion hermitage moonspell napalm records

Quem viu também curtiu

28 de Jan de 2021

Resenha de disco: "Marching Out Of Babylon" - Pantokrator

15 de Jun de 2021

Ao resgatar elo perdido intergeracional, Helloween prova que o inteiro é maior que a soma das partes

08 de Dez de 2020

"Abyss" - Unleash The Archers (2020)