03/09/2023 às 14:15 Entrevistas

Entrevista com Rob Rock (ex-Avantasia, Impellitteri)

58
4min de leitura

Rob Rock vem ao Brasil para série de shows com Narnia e Sunroad. Em entrevista exclusiva, ele conta detalhes de sua carreira e colaborações antigas com Avantasia e Timo Tolkki. Boa leitura!

Você está vindo ao Brasil para uma série de shows com o Narnia. Poderia nos contar qual é a sua música favorita do Narnia e o que os fãs podem esperar da sua apresentação? Alguma dica sobre o setlist?

Eu adoro o que ouvi do CD “Ghost Town” até agora, realmente preciso de mais tempo para escolher minha música favorita. Os fãs podem esperar músicas de cada um dos meus álbuns solo e talvez algumas do Impellitteri também. O setlist será dividido de uma forma especial para apresentar a música de Rob Rock e Narnia juntas.

Você interpretou o Bispo Johann von Bicken nos álbuns "Metal Opera" do Avantasia. Como surgiu essa oportunidade e como foi a sua experiência?

Fui contatado por Tobias para cantar em sua ópera enquanto ele a estava criando. Ele era um grande fã do MARS e me enviou algumas demos para eu cantar. Ele cuidou do resto e fez uma série de álbuns incríveis.

Um dos destaques da sua participação no Avantasia foi na música "Neverland" do "Metal Opera Part II". Qual das músicas que você cantou é a que mais guarda com carinho, e você tem alguma história interessante das gravações?

Ah, eu amo "Neverland". Eu realmente gostei de todas as músicas que ouvi por causa dos arranjos e melodias que eram tão boas. Quando eu estava gravando as músicas, não percebi o alcance do projeto porque estava em suas fases iniciais. Mas acabou sendo ótimo!

No álbum "The Land of New Hope" de Timo Tolkki, você cantou várias músicas ao lado de outros grandes nomes como Russell Allen e Elize Ryd. Como foi essa experiência e você poderia compartilhar um pouco sobre trabalhar com Tolkki, Allen e Ryd?

Lembro-me de cantar cerca de seis músicas inteiras e depois enviar as faixas vocais de volta para o Timo. Eu não sabia o que ele faria com elas, mas ele as editou junto com as outras performances desses grandes cantores e criou algumas ótimas colaborações nas músicas.

A música "I'm A Warrior" do seu álbum "Holy Hell" tem o maior número de reproduções em sua carreira, com quase 500 mil reproduções. Você poderia compartilhar o processo de composição e gravação dessa música? Por que você acha que ela se tornou a favorita dos fãs no Spotify?

"I'm a Warrior" é uma das minhas músicas favoritas também. Eu soube instantaneamente que era uma ótima música quando a escrevi pela primeira vez com Chris Impellitteri no estúdio de ensaio em Los Angeles. A música foi gravada no meu álbum solo, pois Roy e eu reescrevemos a música sob a melodia e as letras para dar a ela uma roupagem fresca. Acho que a melodia da letra que criei se destaca por si só, tornando-a uma música muito forte como um todo. Também é uma favorita dos fãs ao vivo no palco.

 Quais são os cinco álbuns que tiveram o maior impacto em sua vida e por quê?

Álbum de estreia do Foreigner - ótimas músicas e vocais em todo aquele disco, e me inspirou a querer cantar como Lou Gramm. Grand Funk Railroad – “Live Album” - Me inspirou como baterista quando estava começando na música e nos shows. Judas Priest – “British Steel” - Me introduziu ao heavy metal. Eagles – “Hotel California” - As melhores vozes, harmonias e composições que já ouvi. Bad Company – “Bad Company/Shooting Star” - Vi eles em um show no começo e fiquei viciado no rock 'n' roll com suas ótimas músicas e performances.

Com uma carreira longa e bem-sucedida, tendo lançado vários álbuns e sendo reconhecido como um vocalista proeminente em seu gênero, você poderia compartilhar o momento mais desafiador que enfrentou olhando para trás?

O momento mais desafiador foi quando o projeto MARS: Driver chegou ao fim. Eu pensei que seria um grande sucesso, mas então se desfez quando membros saíram para o Whitesnake em 1987. Foi devastador para mim, pois deixei tudo o que conhecia na costa leste para me juntar a essa banda na costa oeste, apenas para acabar em Los Angeles sem nada naquele ponto. Mas devo dizer que foi uma grande experiência de aprendizado no estúdio, pois gravei meu primeiro álbum com alguns dos melhores músicos do planeta - Rudy Sarzo, Tommy Aldridge e Tony MacAlpine.

Você trabalhou com guitarristas proeminentes como Timo Tolkki, Axel Rudi Pell e Roy Z. Entre eles, com quem você sentiu a conexão mais forte e teve a colaboração mais suave? Além disso, há algum guitarrista com quem você gostaria de trabalhar, mas ainda não teve a chance?

Minha conexão mais forte e colaboração mais suave é com meu amigo de longa data, Roy Z. Trabalhamos muito bem juntos e somos irmãos espirituais, então é fácil trabalhar juntos. Eu tive a sorte de trabalhar com muitos guitarristas excelentes, mas Roy Z sempre se concentra na música e no cantor, então para mim é natural amar a maneira como ele toca guitarra e escreve músicas.

Quais músicos ou bandas brasileiras você mais admira? Você tem alguma história especial envolvendo artistas brasileiros?

Eu realmente gosto de Andre Matos e seu trabalho em suas bandas Angra, Shaman e solo. Eu amo sua voz e harmonias e gostaria que ele ainda estivesse por perto para compartilhar mais de seu talento conosco. Eu fiz uma turnê há cerca de seis anos com uma banda brasileira de músicos, junto com Leather Leone, e a banda foi muito legal, divertida de estar com e muito talentosa. Todos nós nos divertimos muito juntos.

03 Set 2023

Entrevista com Rob Rock (ex-Avantasia, Impellitteri)

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

Rob Rock

Quem viu também curtiu

23 de Jun de 2021

“Foi o Sid Vicious quem me inspirou a criar o Helloween e o power metal!” – Entrevista com Michael Weikath (Helloween)

20 de Abr de 2022

Entrevista: Timo Tolkki (ex-Stratovarius) fala sobre "Visions", Andre Matos e mais

20 de Ago de 2022

Entrevista com Júlio Ettore - Rock Nacional 1980